Quanto vale o tempo?

Passamos a vida inteira o tempo todo aprendendo a como contar e mensurar as coisas. Desde os problemas das laranjas da matemática da 4ª série até os boletos que você tem que pagar na faculdade pra poder se formar. Sabe-se calcular o preço, sabe-se somar e subtrair, sabe-se parcelar em 10x sem juros. Mas e o valor? Sabe-se medir?

Ah, mas medir o tempo é fácil: Um minuto tem 60 segundos, e uma hora tem 60 minutos. Por sua vez, por definição, uma hora tem 360 segundos! Sou um gênio!

Sim. Justamente isso que você aprende nas aulas do ensino fundamental e nada mais. Porém, como mensurar o custo do tempo? Como medir o tempo, usando uma unidade de medidas que não sejam segundos? O seu devido valor? Você sabe quanto ganha por hora? (Ainda que não seja esse o objetivo deste post)

Você provavelmente já deve ter ouvido aquela frase:

TEMPO É DINHEIRO.

Então…

Quando alguém pergunta: “Quanto você pagou nesse celular?” (ou qualquer outro item), você prontamente sabe responder com precisão.
Mas e o tempo gasto que você levou pra que pudesse pagar essa quantia específica você pagou? O preço de qualquer coisa é a quantidade de vida que você troca para adquiri-la. Isso se você não parcelou naquelas 10x, tornando ainda mais caro.

O engraçado é que esse seu celular – assim como qualquer outro bem que possa vir a adquirir – pode vir a ser perdido. Estragado. Roubado. (Isso sem falar na obsolescência programada. E também no status que você precisa manter tendo um aparelho do ano).

 




 

O tempo é a única coisa que não volta. O dinheiro gasto? Você recupera.  Os bens (qualquer um deles que você possa ter pensando, e não apenas o exemplo ilustrado) podem ser adquiridos novamente. O tempo não. Como fazer hoje as coisas que prometeu a si mesmo fazer ontem? Ok, faz hoje, mas e as de hoje que você vai fazer amanhã? Sem exponenciar isso para semanas, ou meses: aquela caixa de mudança que você nunca mais abriu, o guarda roupa que você não arrumou, a gaveta da bagunça…

Essas coisas são uma das grandes vilãs do maior bem que você possui. Sugam sua energia e disposição com a moeda mais cara que você possa pagar. Quanto menos coisas ocuparem o seu tempo para que possa aproveitá-lo melhor, melhor!

 

O maior presente que você pode dar a alguém é o seu TEMPO;
Porque quando você disponibiliza o seu tempo, você está doando uma porção da sua vida que você nunca mais na vida terá de volta.

 

É só o tempo que vai permitir que você seja produtivo com seus objetivos; Que você visite aquele familiar que mora longe; Que você veja aquele familiar que mora perto, na mesma cidade inclusive, que as vezes, ironicamente, você não vê a mais tempo do que o que mora longe, certo? Os amigos do colégio, que não vê há anos, do trabalho antigo que, coincidentemente, também não… É o tempo que você precisa pra por todos aqueles seus projetos que tanto quis em prática. Seus sonhos, ideais, aspirações. Aquilo que você pode fazer pra mudar o mundo! (Ou pelo menos o seu). Algo que fazia quando era criança e deu saudade; Que quer fazer para a suas, e não pode… E não, você não vai conseguir comprar isso com dinheiro. Nem que ganhasse mais. Pois pra ganhar mais é preciso trabalhar mais, e o que você precisa para trabalhar? Sim, ele.

Trabalhamos todos os dias. Todos. Os. Dias. Para pagar contas que talvez não existiriam se não trabalhássemos: A gasolina da sua logística casa/trabalho, trabalho/casa (sem falar o próprio tempo no deslocamento, fora o trânsito também), o pneu que fura (e o tempo pra trocar, fora a justificativa pro chefe, que vai achar que é desculpa), o lanche que teve que comer porque estava com fome devido a demora, a lataria do carro que você bateu porque estava com pressa, o…

Com o tempo, se consegue dinheiro… Com dinheiro não se consegue tempo.

Saiba reavaliar realmente quanto custa (não em moeda) o seu dia a dia. Compensa a correria? O stress? De que outra forma você pode ser mais produtivo se realmente tivesse feito o que prometeu a si mesmo e depois ainda dar a desculpa esfarrapada dizendo que “não deu tempo”?

 

© MINIMALISTO: Minimalismo, por um minimalista.

COMENTÁRIOS